terça-feira , 14 de julho de 2020
Novidades
Home / Destaque / A Apple perde quase 50% dos consumidores para Samsung
Foto divulgação: Google
Foto divulgação: Google

A Apple perde quase 50% dos consumidores para Samsung

A Apple que tinha uma participação de 8,3% no mercado brasileiro, em 2016, fechou o ano com 3,8% de participação, o que totaliza uma queda que soma mais de 50% dos consumidores.

Segundo, Tina Lu, analista da Counterpoint, “As fabricantes que ganharam espaço foram as que conseguiram oferecer celulares menos caros”. “O Brasil tem passado por uma crise econômica profunda que começou no meio de 2015 (…) A crise foi grave o suficiente para colocar em dúvida se o Brasil continuaria sendo líder do mercado de smartphones na América Latina em 2016”.

Quem lidera o mercado no Brasil, hoje, é a Samsung, em quase 50% dos consumidores. Saiu dos 40%, para exatos 46,7%, no final de 2016. Em segundo lugar, a Motorola/Lenovo ficou estável e varia entre 13% e 12,9%. No TOP 3 está a Alcatel, que cresceu de 3,6% para 5,5% no fim do ano passado.

Sobre Móises Bisesti

Móises Bisesti
Apresentador do programa de rádio “Força do Povo”, MOISÉS BISESTI dirigi a equipe de jornalismo da Rádio Cruzeiro, que tem audiência em 75% dos municípios da Bahia. Formado em Economia pela UCSAL, em Direito pela Faculdade do Nordeste e em Rádio e Televisão pela Gama Filho, atua há vinte e cinco anos na área de comunicação social sempre em contato direto com o público e autoridades políticas, médicas e jurídicas. Iniciou sua carreira como repórter da TV Itapoan/ Rede Record, no Telesportes e Lance livre na área de esportes, além do Balanço Geral programa jornalístico. Na TV Band apresentou o Jogo Aberto, também na linha de jornalismo popular, trabalhando como âncora da Band News FM. Defende a liberdade das ideias, a informação da notícia centrada no fato, na busca da verdade mantendo a objetividade e independência com foco na prestação do serviço público. Com uma linguagem moderna, leve e desenvolta conquista pela clareza e objetividade nas informações sem perder de vista a ética e responsabilidade do comunicador.