Novidades
Home / Notícias / Bahia / Crise financeira ameaça tesouro secular em Salvador
Foto divulgação: Google
Foto divulgação: Google

Crise financeira ameaça tesouro secular em Salvador

Há pelo menos dois anos, a Ordem Terceira de São Francisco enfrenta dificuldades para arcar com despesas com o restauro de peças seculares da igreja e com a manutenção do Lar Franciscano (Saúde), do cemitério da Ordem Terceira de São Francisco (Baixa de Quintas) e da igreja de São Miguel (Pelourinho), também administrados pela irmandade. A preocupação dos dirigentes é de que a Ordem Terceira de São Francisco tenha o mesmo destino da igreja de São Miguel, que está fechada há três anos por causa da falta de manutenção. De acordo com o presidente executivo da Ordem, Jayme Baleeiro Neto, a irmandade enviou, no ano passado, dois ofícios ao Iphan para que fossem destinados recursos a fim de realizar reparos emergenciais, no entanto, ainda não obteve resposta. “Gostaríamos de contar com uma verba exclusiva para cuidar do nosso acervo e da estrutura da Ordem Terceira. Não podemos assistir, inertes, à decadência de uma irmandade tão importante para o patrimônio cultural da cidade”, afirmou Baleeiro Neto.

Sobre Móises Bisesti

Móises Bisesti
Apresentador do programa de rádio “Força do Povo”, MOISÉS BISESTI dirigi a equipe de jornalismo da Rádio Cruzeiro, que tem audiência em 75% dos municípios da Bahia. Formado em Economia pela UCSAL, em Direito pela Faculdade do Nordeste e em Rádio e Televisão pela Gama Filho, atua há vinte e cinco anos na área de comunicação social sempre em contato direto com o público e autoridades políticas, médicas e jurídicas. Iniciou sua carreira como repórter da TV Itapoan/ Rede Record, no Telesportes e Lance livre na área de esportes, além do Balanço Geral programa jornalístico. Na TV Band apresentou o Jogo Aberto, também na linha de jornalismo popular, trabalhando como âncora da Band News FM. Defende a liberdade das ideias, a informação da notícia centrada no fato, na busca da verdade mantendo a objetividade e independência com foco na prestação do serviço público. Com uma linguagem moderna, leve e desenvolta conquista pela clareza e objetividade nas informações sem perder de vista a ética e responsabilidade do comunicador.