terça-feira , 7 de julho de 2020
Home / Destaque / Em crise financeira, Correios querem criar loteria para levantar recursos
Foto divulgação: Google
Foto divulgação: Google

Em crise financeira, Correios querem criar loteria para levantar recursos

O presidente dos Correios, Guilherme Campos, disse nesta quarta-feira (29) que pretende conversar com a Caixa Econômica Federal sobre a possibilidade de criação de uma loteria dos Correios, como alternativa de arrecadação de receitas para a estatal, que enfrenta dificuldades financeiras. “Hoje é um monopólio da Caixa. Mas nós temos presença nacional, temos capilaridade, e tendo a oportunidade de explorar outra loteria, dentro da legislação existente, por que não os Correios terem a sua loteria postal?”, disse Campos a jornalistas. No início do mês, os Correios anunciaram o fechamento de 250 agências, de 6.511 próprias no país. A decisão faz parte da estratégia de redução de gastos da empresa. A iniciativa atinge agências em cidades com mais de 50 mil habitantes de todas as regiões.

Sobre Móises Bisesti

Móises Bisesti
Apresentador do programa de rádio “Força do Povo”, MOISÉS BISESTI dirigi a equipe de jornalismo da Rádio Cruzeiro, que tem audiência em 75% dos municípios da Bahia. Formado em Economia pela UCSAL, em Direito pela Faculdade do Nordeste e em Rádio e Televisão pela Gama Filho, atua há vinte e cinco anos na área de comunicação social sempre em contato direto com o público e autoridades políticas, médicas e jurídicas. Iniciou sua carreira como repórter da TV Itapoan/ Rede Record, no Telesportes e Lance livre na área de esportes, além do Balanço Geral programa jornalístico. Na TV Band apresentou o Jogo Aberto, também na linha de jornalismo popular, trabalhando como âncora da Band News FM. Defende a liberdade das ideias, a informação da notícia centrada no fato, na busca da verdade mantendo a objetividade e independência com foco na prestação do serviço público. Com uma linguagem moderna, leve e desenvolta conquista pela clareza e objetividade nas informações sem perder de vista a ética e responsabilidade do comunicador.