segunda-feira , 19 de novembro de 2018
Home / Notícias / Brasil / rebelião em presídio chega ao fim com 60 mortes, diz governo do amazonas
Foto divulgação: Google
Foto divulgação: Google

rebelião em presídio chega ao fim com 60 mortes, diz governo do amazonas

Sessenta presos morreram na rebelião do complexo penitenciário Anísio Jobim (Compaj), em Manaus, informou o secretário de segurança pública do Amazonas, Sérgio Fontes. O motim durou mais de 17 horas e foi considerado pelo secretário como “o maior massacre do sistema prisional” do estado. Os mortos são integrantes da facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC) e presos por estupro, segundo Sérgio Fontes. Também houve fugas de detentos, mas o número não foi divulgado oficialmente. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM) chegou a dizer ao g1 que mais de 130 estão foragidos. O complexo penitenciário abriga 1.224 e está localizado o km 8 da BR 174, que liga Manaus a Boa Vista. A unidade prisional, que tem capacidade de abrigar 454 presos, está superlotada. O presidente da comissão de direitos humanos da OAB-AM, Epitácio Almeida, está na unidade prisional e afirmou que os presos liberaram nesta manhã os últimos sete reféns. Segundo ele, os detentos entregaram as armas e se renderam às 8h40 (horário de Manaus) desta segunda-feira. O ministro da justiça e cidadania Alexandre de Moraes chegou a Manaus ontem (02). Ainda não há informações sobre a agenda do ministro na capital amazonense. A visita ocorre após a confirmação de pelo menos 60 mortes em uma rebelião no complexo penitenciário Anísio Jobim (Compaj). Para os investigadores ouvidos pelo estado, não se trata de uma rebelião e sim de uma “limpa geral” da FDN – Facção Família do Norte contra integrantes da Facção Paulista do PCC, no Amazonas.

Sobre Redação MBQ NEWS - AB

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *